Quinta-feira, 18 de Outubro de 2007

Sahara Ocidental - Intervenção do Deputado Willy Meyer na Assembleia Geral das Nações Unidas

 

*Willy Meyer - Deputado Europeu, membro do Grupo de Amizade do Parlamento Europeu com o Sahara Ocidental "Paz para o povo Saharaui"

 

Señor Presidente, Señores y Señoras:

En primer lugar quiero empezar diciendo que formo parte del Grupo de Amistad del Parlamento Europeo con el Sáhara Occidental "Paz para el pueblo saharaui", un Grupo formado por diversos diputados y diputadas de diferentes familias políticas y de diferentes países europeos, que lleva cerca de 20 años luchando por los derechos del pueblo saharaui y por el reconocimiento del derecho de autodeterminación del mismo.

El Parlamento Europeo decidió enviar una delegación ad hoc formada por un grupo de eurodiputados para visitar los territorios ocupados en octubre del año pasado, pero ésta nunca consiguió pisar suelo saharahui porque el Presidente de la Cámara de Representantes marroquí, el Sr. Radi canceló la autorización para que esta misión se llevara a cabo, bajo el argumento de que dos de sus tres miembros pertenecían al Grupo de Amistad. Esto supuso una clara muestra de menosprecio y de falta de respeto del Reino de Marruecos hacia la institución del Parlamento Europeo. Ésta no fue la primera vez que el Reino de Marruecos negaba la entrada a observadores internacionales, ya en 2002 hizo lo mismo con una delegación española formada por cargos electos y periodistas, y este mismo verano con una delegación de diplomáticos nórdicos. Esto viene ocurriendo porque Marruecos ha querido siempre ocultar sistemáticamente las violaciones de derechos humanos, la falta de libertad de movimiento y de expresión. Los territorios saharahuis viven bajo una situación de Estado de sitio y esto es lo que explica la represión a la que el Reino de Marruecos tiene sometido al pueblo saharahui, represión que ha sido denunciada por organizaciones como Human Right Watch o Amnistía Internacional y que se ejerce también dentro de territorio marroquí sobre activistas de derechos humanos, estudiantes, sindicalistas... Sirvan de ejemplo las detenciones el pasado mes de julio en Agadir a 7 miembros de la Asociación Marroquí de Derechos Humanos por haber participado pacíficamente en una manifestación del 1° de mayo, o las brutales actuaciones de los Cuerpos de Seguridad marroquíes para reprimir en Rabat las manifestaciones pacíficas de estudiantes saharauis en junio, hechos los dos que yo he denunciado en su momento ante la Comisión Europea.

Por si todo esto fuera poco, hay que recordar el acuerdo de pesca entre la UE y Marruecos que se firmó en 2005. Un acuerdo a todas luces ilegal celebrado en el mismo momento en que Marruecos se niega a celebrar el referéndum de autodeterminación que exigen todas las resoluciones de Naciones Unidas. En ese momento el negociador de la UE firma ese acuerdo que incluye las aguas del Sahara Occidental amparándose en el falaz argumento de que están "bajo administración marroquí". Resulta así claramente contradictorio que se aduzca un supuesto status marroquí de “potencia administradora” del Sáhara Occidental para obtener beneficios con la explotación de las riquezas naturales del territorio al mismo tiempo en el que Marruecos se niega a cumplir con sus obligaciones internacionales y, en particular, con la celebración de un referéndum de autodeterminación. En este contexto, la celebración del acuerdo de pesca con Marruecos no sólo es una violación del Derecho Internacional al atribuir a Marruecos un status jurídico (el de “potencia administradora”) que no tiene, sino que además pudiera entenderse como un respaldo al incumplimiento de sus obligaciones internacionales.

Una vez más quiero reiterar que el problema del Sahara Occidental es un asunto de descolonización, y que Marruecos no es la potencia administradora, sino la potencia ocupante (resoluciones 3437 y 3519 de la Asamblea General de la ONU). El Sáhara Occidental sigue siendo, jurídicamente hablando, un territorio cuya administración corresponde a España -cualidad que ha sido reiterada en diversas resoluciones de Naciones Unidas (2229, 2354, 2428, 2591, 2711, 2983 y 3162)- , y ésta ha venido vulnerando sistemáticamente la legislación internacional desde los acuerdos de Madrid firmados en 1975. España, como potencia administradora, sólo tenía dos opciones para liberarse de su responsabilidad: proceder a la descolonización, y eso sólo podía hacerse mediante un referéndum de autodeterminación, o no descolonizar.

El Consejo de Seguridad de Naciones Unidas en abril de este año, en su resolución 1754 pidió negociaciones directas entre las dos partes, bajo los auspicios de las Naciones Unidas. Negociaciones en vista de alcanzar una solución política que permita asegurar la autodeterminación del pueblo del Sahara Occidental. Pero los resultados hasta el momento no son demasiado esperanzadores, ya que Marruecos no ha mostrado voluntad de solucionar el conflicto. Está teniendo lugar una situación de legitimación del derecho colonial consumado.

El Sahara es un problema de descolonización, por tanto es España, como potencia administradora, la responsable de la situación actual del Sáhara Occidental y de la tragedia de su pueblo, y debe asumir sus responsabilidades hacia una solución pacífica que pase por el derecho de autodeterminación del pueblo saharaui. España, de la mano de la Unión Europea y la Comunidad Internacional deben actuar firmemente y exigir el cumplimiento del derecho internacional recogido en decenas de resoluciones de Naciones Unidas
publicado por cppc às 09:53
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

SAHARA OCIDENTAL - EUCOCO 2007

 

O Conselho Português para a Paz e Cooperação participa na 33ª Conferência Europeia de Solidariedade com o Povo Saharaui que se realiza de 19 a 21 de Outubro, em Roma. A Conferência decorre sob o Sahara Ocidental: Autodeterminação e fim da ocupação marroquina. O representante do CPPC na Conferência, Carlos Carvalho, membro da Presidência, tem agendados vários encontros com responsáveis Saharauis visando o fecho do Protocolo de Cooperação entre o CPPC e o Crescente Vermelho Saharaui, para equipamento e funcionamento da Escola básica do Acampamento de refugiados "27 de Fevereiro".

publicado por cppc às 09:32
link do post | comentar | favorito
|

DECLARAÇÃO DO CPPC NA CONFERÊNCIA SOBRE ÁFRICA

ÁFRICA – A SOLIDARIEDADE NECESSÁRIA
Senhoras e Senhores Deputados do Grupo Confederal da Esquerda Unitária Europeia e da Esquerda Verde Nórdica, Senhor representante da Frente Polissário em Portugal, Senhoras e Senhores representantes diplomáticos em Portugal, Senhoras e Senhores convidados:
Em 1994 o genocídio no Ruanda estava na ordem do dia. Os média ocidentais avançavam explicações atabalhoadas que interpretavam os acontecimentos de então como mais uma rivalidade étnica levada às suas últimas consequências, reflectindo instintos tribais, de base genética, associados a uma outra causa “enraizada no ambiente e na demografia”. Tentava-se explicar que o crescimento demográfico ultrapassara a capacidade produtiva da terra e então, “os soldados adolescentes Hutus e Tutsis ter-se-iam dedicado a resolver o problema populacional da maneira mais directa possível”.
Significativamente, ignoravam-se dados fundamentais. Ignorava-se que Hutus e Tutsis sempre se casaram entre si, não havendo qualquer distinção biológica entre eles. Que os colonialistas europeus arbitrariamente tinham criado uma distinção étnica, e usado a minoria Tutsi para, indirectamente, impôr o seu domínio sobre os Hutus. Ninguém estava interessado em referir que o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial teriam imposto reformas agrícolas e financeiras que alteravam o uso secular da terra, no sentido de transformar uma agricultura tradicional de subsistência numa agricultura subjugada às regras do mercado económico capitalista, com sobrevalorização da produção de café para exportação. Enfim, ignorava-se o que está mais que demonstrado, ou seja que a fome e a guerra em África resultam do imperialismo e não da sobrepopulação. Estados Unidos e França, em conformidade com os seus interesses, armaram e apoiaram as diferentes facções do Ruanda.
Atribuía-se à natureza humana e à sobrepopulação as culpas do genocídeo, absolvendo o capitalismo.
Este, como tantos outros, é um exemplo histórico do que se vai passando em África sob o jugo imperial do capitalismo internacional.
Existem dramas humanitários ainda potenciais e para os quais os defensores da Paz devem estar alerta como o que se vislumbra junto à fronteira ocidental da Guiné Conakri, ou o que se potencia, com a promoção pelo imperialismo, de conflitualidades entre diferentes secções dos Maasai do Quénia.
Outros, são dramas já instaladas como o gerado pelo domínio territorial de Marrocos sobre a República Árabe Saharaui Democrática, ou o que se agudiza cada vez mais no Darfur, com contornos gravíssimos de limpeza étnica.
Neste último caso o Conselho Português para a Paz e Cooperação alerta os deputados europeus para os riscos eminentes decorrentes de uma aventura militar imperial da União Europeia, a qual de inocente nada tem, bem como alerta para os mesmos perigos inerentes à missão da União Europeia já decidida no Chade e na República Centro-Africana.
Estas, como tantas outras situações provocadas pelo capitalismo internacional, têm condenado todo o continente e todos os seus povos à fome, à miséria, à doença, à guerra e à morte, umas vezes pela avidez do saque dos recursos naturais, outras pela simples necessidade de afirmação imperial, e na maioria dos casos pela mortal conjugação dos dois objectivos.
E o futuro não augura nada de bom! Assiste-se a uma importante militarização de todo o continente em prole dos objectivos neo-coloniais das potências imperialistas. Não é segredo para ninguém que há muito que o continente africano assumiu, nomeadamente para os EUA, carácter de “preocupação de interesse nacional”, o que significa no imediato o reforço da capacidade militar dos Estados Unidos em todo o continente, através da ampliação do seu comando central (AFRICOM), a coberto de uma pseudo “ajuda humanitária” e luta contra o terrorismo. Mas, verdade seja dita, são os próprios EUA a afirmar o não menor peso assumido pela importância estratégica da descoberta de enormes reservas petrolíferas, e a crescente presença chinesa no continente, para a adopção de políticas que visam a deslocação da sua atenção para África.
É necessário ter presente que a curto prazo a África exportará para os EUA 25% do petróleo bruto vital para este país, tornando a sua participação na economia norte-americana superior à da Arábia Saudita.
A ferocidade do capital, para melhor concentrar os seus lucros em níveis nunca antes atingidos, leva à guerra e à miséria a grande maioria da população mundial e revela, pelo abandono e massacre da infância, a face mais cruel e mais desumana do modelo de sociedade que impõe.
 Neste contexto, o Conselho Português para a Paz e Cooperação, solidário com o sofrimento dos povos de África permanentemente espoliados dos seus bens e dos seus direitos, afirma o seu empenhamento solidário com todos os povos de África, independentemente da etnia, religião ou cultura, como condição necessária e possível para a paz e melhores perspectivas de vida para a humanidade.
A solidariedade internacional com os povos de África é também uma batalha dos explorados contra o poder do capital e pela construção de uma nova ordem mundial baseada na paz, na cooperação e no respeito por todos os povos e Estados, e seus legítimos e inalienáveis direitos ao desenvolvimento, liberdade, soberania, justiça e paz. E é essa opção política que exigimos da União Europeia, a par do abandono das tendências neocolonialistas que subrepticiamente se pretende recuperar e impôr.
Assim, à competição pelos mercados e pela supremacia capitalista de um bloco sobre os outros, a Europa terá de ser capaz de responder com o que a sua melhor tradição ensina, a tradição da tomada da Bastilha, do hino da alegria de Beethoven, da comuna de Paris, do couraçado Aurora, da defesa de Madrid contra as hordas de Mola em 1936, ou da Revolução dos Cravos em Portugal.
Face aos dramas de África, como em relação aos dramas humanitários que o resto do Planeta vive neste século XXI, o Conselho Português para a Paz e Cooperação pugna por uma Europa que seja um espaço de “competitividade “ pela democracia, pela defesa de um modelo social que combata a exclusão, por uma economia avançada que sirva toda a população e por uma atitude no mundo a favor da tolerância e aproximação entre todos os povos.
 Trata-se de afirmar que ninguém pode viver num mundo como o que nos é augurado pelo capitalismo, e que, em África como aqui, se tem que combater um poder que tenta gerir as nossas vidas, os nossos afectos e os nossos desejos.
Afirmamos assim a nossa solidariedade com os povos de África, empenhados nas nossas acções práticas do dia-a-dia, empenhados também no nosso protesto constante nas instituições e nas ruas, que ninguém calará, e convidamos todos os cidadãos de bem da Europa e do mundo para que se juntem a nós num esforço unitário contra o Imperialismo e pelo progresso e bem-estar de todos os povos do Planeta.
Pela Paz,
Luís Vicente
Conselho Português para a Paz e Cooperação
Lisboa, 17 de Outubro de 2007 
publicado por cppc às 09:24
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 12 de Outubro de 2007

Declaração do Encontro Europeu em Defesa da Paz

28 e 29 de Setembro de 2007

Participantes de 20 organizações e movimentos da paz de 14 países europeus reuniram em Lisboa, durante os mesmos dias da Reunião Informal dos Ministros da Defesa da U.E. em Évora, Portugal. A reunião das organizações de paz, na sequência de uma frutuosa troca de opiniões, emitiu a seguinte declaração:

1.     Os povos da Europa enfrentam crescentes ameaças à paz e segurança globais, em consequência da militarização das relações internacionais e da multiplicação das agressões imperialistas em todo o mundo. A Conferência de Paz exige o fim imediato destas políticas belicistas. Em alternativa, a Conferência de Paz defende a promoção de relações pacíficas entre os países do Continente e destes com todo o mundo e apela à melhoria do bem-estar social dos povos da Europa.

2.     Considerando a rejeição do Tratado Constitucional Europeu em diferentes países e, em particular, através de referendos em França e na Holanda, os participantes na conferência de paz declaram que o Tratado Europeu reformado continua a ser uma expressão clara do actual caminho perigoso no sentido da concentração do poder de decisão política, dirigido contra as soberanias dos povos, uma intrusão das agências securitária na vida cívica na União e o reforço da projecção do poderio militar desta na arena internacional. O Tratado reformado ignora e negligencia as opiniões dos povos e serve os interesses das grandes corporações a todos os níveis. Exigimos que seja respeitada a vontade dos povos da Europa, bem como os seus direitos democráticos e que qualquer Tratado reformado deve ser submetido a referendo em todos os Estados da União.

3.     A crescente supremacia dos interesses económicos das empresas e dos Estados está intimamente ligada à militarização da Europa e tem resultado na redução dos direitos cívicos, sociais e laborais e na criminalização da resistência cívica. A diminuição da qualidade dos direitos e das instituições democráticas abriu caminho à intrusão e promoção de doutrinas extremistas e de grupos criminosos e agressivos, como é o caso de grupos xenófobos e nazis emergentes, por um lado, e é acompanhada por campanhas de perseguição política às forças progressistas e da paz, por outro lado, ambas estranhas aos sentimentos e interesses dos movimentos sociais e populares.

4.     As relações internacionais estão a ser crescentemente militarizadas. A União Europeia está a adoptar, cada vez mais frequentemente, posições agressivas nas suas relações internacionais com respeito à resolução de conflitos latentes ou emergentes, e situações de guerras latentes ou activas. A cumplicidade da União Europeia com a NATO, que é uma aliança agressiva com auto-assumida jurisdição mundial, é tão perigosa para a paz no mundo como constitui uma política perigosa e destrutiva para os próprios povos da Europa.

As intervenções militares activas da UE nos Balcãs, Ásia Central e Médio Oriente continuam e devem ser abertamente condenadas. A presença de numerosas bases militares europeias e o crescente envio de forças militares para África (nomeadamente a missão da UE no Chade e na República Centro-Africana) são casos de séria preocupação em vista do passado e dos desenvolvimentos futuros nesse Continente.

5.     A crescente militarização da Europa através da instalação de bases militares fora das fronteiras nacionais, de corpos militares e grupos navais de intervenção rápida para impor a vontade política e económica no próprio continente ou em qualquer outra parte do mundo, o desenvolvimento de novas armas ou de sistemas de vigilância e comando militar integrados, o comércio ou fornecimento de armas a terceiros para servir interesses económicos bem como atingir vantagens políticas através do uso da força no estrangeiro, constituem sintomas de uma política imperialista que representam um desperdício imoral e imenso de recursos e colocam em grande perigo a segurança internacional e a paz. Ao invés os povos da Europa exigem o fim da militarização da Europa.

6.     A instalação combinada de plataformas espaciais e terrestres modernas permitem criar instrumentos de espionagem, vigilância e comando globais que, conjugados com os veículos lançadores e mísseis existentes, dão aos EUA e a outras potências militares o poder de conduzir o mundo para perigosos novos e inimagináveis níveis bélicos, no coração do continente europeu, nas suas fronteiras, ou noutras regiões.

Desenvolvimentos no território europeu ou fora dele que resultem numa escalada militar, particularmente no domínio de plataformas terrestres e espaciais que transportem a guerra para o espaço, devem ser firmemente rejeitados por serem hegemónicos e imperialistas, ameaçando a paz e a segurança e provocando novas ameaças militares.

7.     Assistimos a uma renovada expansão das despesas militares globais ao longo da última década, com uma taxa de crescimento anual de quase 4%, que alcançou 1200 mil milhões de dólares americanos em 2006 (metade desta verba é atribuída aos EUA). Bastaria uma fracção dessa enorme despesa destrutiva para atingir os objectivos de desenvolvimento fixados pela Cimeira do Milénio da ONU no ano 2000, para erradicar a pobreza e para garantir a educação e a saúde básicas no mundo.

8.     É do maior interesse dos povos amantes da paz na Europa e no mundo em geral que a União Europeia renuncie a qualquer tipo de atitude neocolonialista ou paternalista em relação a terceiros. Em vez disso, deveria partilhar relações abertas e de cooperação com os países vizinhos e com todos os países com os quais se interrelaciona económica e politicamente. Em nenhum caso um país deve poder invocar “o interesse nacional” como justificação para recorrer à agressão com o objectivo de obter acesso a recursos e bens essenciais. 

9.     A Europa deve promover um diálogo aberto entre nações, promovendo a desmilitarização e a desnuclearização, através de consultas internacionais no quadro da ONU e da OSCE. Deve fazê-lo respeitando tratados anteriores e a sua aplicação, nomeadamente aqueles que têm contribuído para atenuar o agravamento das ameaças militares e promover o desanuviamento durante as décadas passadas.

Todas as partes devem cumprir os seus compromissos e não renunciar a eles nem impô-los unilateralmente, como têm feito e estão a fazer algumas potências nucleares. Particularmente as potências nucleares europeias devem ser parte activa na redução de arsenais e na renúncia à posse, instalação ou utilização desse tipo de armas de destruição massiva.

10. Os povos da Europa têm expressado repetidamente o seu desejo de um futuro melhor, bem como a sua oposição às intervenções militares, agressões e ocupações estrangeiro em que os seus países se tenham envolvido. Também têm expressado a sua solidariedade activa com esses povos agredidos ou vítimas de qualquer forma de opressão. Expressamos a nossa solidariedade a todos os povos da Ex-Jugoslávia que enfrentam as consequências da ingerência e agressão imperialistas que tem como objectivo converter os seus países em protectorados dos EUA, UE ou NATO, e são forçados a albergar bases militares estrangeiras. Denunciamos os planos dos EUA e da UE para fazer reconhecer a independência do Kosovo, em clara violação da soberania e integridade territorial da Sérvia e em aberta violação do direito internacional.

11. Os movimentos da paz em toda a Europa estão a expressar apoio e solidariedade aos povos da Polónia e da República Checa, que rejeitam a instalação de bases para o “escudo de defesa anti míssil” dos EUA nos seus países. Está demonstrado que o alargamento da NATO serve de pretexto à expansão das suas infra-estruturas na Polónia, República Checa, Roménia e Bulgária, numa acelerada tendência de militarização de todo o território europeu e da vida dos seus povos, promovendo uma postura agressiva para com os países vizinhos e ameaçando outros noutras partes do mundo.

Estes acontecimentos contradizem o desejo de paz dos povos da Europa que rejeitam alianças agressivas e exigem que se dêem passos imediatos para efectivar o desmantelamento da NATO.

12.  O sistema económico capitalista está a destruir aceleradamente os recursos naturais. Há uma crescente competição militar entre os países capitalistas pelo acesso e posse dos recursos remanescentes. A guerra é não só imoral como está demonstrado não ser solução para os perversos propósitos das grandes potências e interesses económicos que se envolvem em guerras para dominarem e explorarem as riquezas de outros países.

A história das passadas guerras coloniais, a guerra do Vietname e as guerras ainda mais recentes no Afeganistão, no Iraque e no Líbano e o actual genocídio na Palestina, provam que o poderio militar não consegue fazer submeter os povos e fazê-los abdicar do seu direito inalienável e legítimo de resistir aos agressores.

Neste contexto, rejeitamos veementemente qualquer movimentação, seja com que pretexto for, que promova um ataque ao Irão, e declaramos que se trataria de mais uma violação flagrante do direito internacional e da Carta da ONU. Exigimos ainda o fim do envolvimento de países europeus e da UE no Afeganistão, ao lado dos EUA e da NATO (através da ISAF), e rejeitamos com firmeza a ideia de uma missão da EUROPOL nesse país, liderada pela UE.

13. É nossa determinação pacífica renunciar à actual corrida aos armamentos e lutar pela desmilitarização e pelo desarmamento na Europa, promovendo relações políticas equitativas entre as nações, sem ameaças militares e dominação imperialista.

Esta visão pressupõe um continente livre de bases militares estrangeiras e fora de qualquer aliança militar.

Declaração da conferência de movimentos de paz europeus, convocados conjuntamente pelo Conselho Mundial da Paz (CMP), Grupo Confederal da Esquerda Europeia Unida/Esquerda Verde Nórdica (GUE/NGL) e Conselho Português para a Paz e a Cooperação (CPPC).

publicado por cppc às 14:10
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. NOVO SITE DO CPPC

. CUBA: abaixo-assinado sol...

. SAHARA OCIDENTAL - CARAVA...

. MÉDIO ORIENTE: OPRESSÃO E...

. LIBERDADE PARA OS CINCO P...

. LIBERDADE PARA OS CINCO P...

. ACAMPAMENTOS DE REFUGIADO...

. DEBATE SOBRE SITUAÇÃO NO ...

. SOLIDARIEDADE IRAQUE - AP...

. PALESTINA: 60 Anos de Nak...

.arquivos

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

.as minhas fotos

blogs SAPO

.subscrever feeds